quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Há 5 anos...

Passaram-se cinco anos e eu não tinha a mínima noção de como as coisas passam, mudam, vão-se rápido. Hoje eu e bela somos pessoas totalmente diferentes e é ótimo isso, é maravilhoso perceber as pessoas que nos tornamos hoje aos dezesseis anos(bela completa dezesseis aninhos dia dez de setembro), e quem poderemos nos tornar com mais anos que estão por vir. 
Com tudo isso, claro, veio a distância, hoje não somos mais as mesmas "splitas" de cinco anos atrás, não nos vemos com frequência, não frequentamos a mesma escola, não temos os mesmos amigos, enfim, não temos mais a presença uma da outra em nossas vidas pessoais.
É triste? Sim. Mas me arrisco a dizer que o mundo em que vivemos, pode até ser o mesmo, mas a órbita de cada um é totalmente diferente. E não seria diferente conosco. Hoje, tenho o enorme orgulho de tudo o que eu e bela vivemos juntas, por menos idade e maturidade que tivéssemos naquela época, o que torna tudo especial pra mim é o que eu senti naquele tempo, as lembranças que ficaram, a saudade que bate de quando o que mais nos importava era a nossa amizade e perder o maldito BVL.
Hoje são tantas preocupações, tanta responsabilidade, tantos pesares que descompensam a minha vida. Vestibular, pressão em casa, manter um relacionamento, o passar ou não em uma faculdade, ensino médio. Coisas que por mais peculiares que possam parecer, definem uma vida inteira. No caso, a minha vida.
Tudo há cinco anos atrás parecia tão fácil, e de repente tudo se desfez na minha frente. As responsabilidades chegam, não tente fugir senão elas te atropelam. E hoje eu me referencio um pouco nesses tão citados "anos atrás", porque se neles eu fui tão feliz, foi graças a mim, a minha inocência e fé de criança de ser feliz, por mais desnecessárias que possam parecer ao olhar de vida atual, naquela época eram necessários e me fizeram feliz.
se eu vou ser feliz nos anos que virão, só dependerá de mim, ter fé nas coisas que são necessárias no agora, e só cabe a mim torná-las felizes. Brigada Bela, por todo aprendizado de amizade que até hoje se faz presente em mim e que eu vou levar pra sempre comigo. Que saudade do "nosso tempo".

Lia*

domingo, 28 de dezembro de 2014

     Faz uns dois meses que nos conhecemos. Nos falávamos todo dia, e não dava pra cansar de conversar com você, e era o que me dizia também. Estávamos tão longe fisicamente, mas era como se eu participasse de todos os teus dias. E assim foi sendo, por uns dois meses. Eu, louca para que você viesse logo pra perto de mim, e você dizia que também estava. Planejamos muita coisa pra fazermos juntinhos, e veja só no que deu! Paramos de nos falar e até hoje não entendi porquê. Justo alguns dias antes de você vir pra cá. E então nos encontramos, e você fingiu que não me conhecia. E apesar de tudo isso, tô louca pra te ver de novo. Fico imaginando como seria se tivesse ocorrido tudo como o planejado, e morro de saudades de você. Acabei de abrir uma foto dos teus amigos e você tá la, sorrindo. Que sorriso lindo, cara. E você ainda me dizia que era horrível.
    Preciso conversar com você. Não quero que vá embora sem se despedir, e eu queria muito que você sentisse o mesmo. Mas acho que nem lembra mais de mim, e isso me dói de uma forma inexplicável. Nem sei o que eu tô sentindo. Preciso te ver mais uma vez, mesmo que longe, mesmo que não fale comigo. Puta merda, eu preciso de você. Como eu queria que viesse falar comigo, cara! Eu realmente espero que não tenha esquecido completamente de mim.....

domingo, 18 de maio de 2014

      Eu juro pra você que não queria que isso tivesse acontecido. Sabe, eu sinto tua falta pra caramba. Mas queria que me entendesse, porque eu te entendo. Sei o que tá passando porque você mesmo já me fez passar pela mesma coisa. 
     Nunca acreditei que depois de meses sem falar com alguém, a amizade voltaria a ser a mesma. Mas você me provou o contrário. Sempre esteve do meu lado, e mesmo estando chateado comigo nunca me virou as costas. Eu sinto saudade da gente, saudade de tudo que passamos juntos. Eu sempre me lembro que desde o primeiro dia em que nos conhecemos você já passou a ser meu amigo. Espero que entenda tudo que tá acontecendo. Só que eu não tenho ninguém pra me aconselhar tão bem quanto você faria em um momento desses. Eu queria te mandar uma mensagem agora pra perguntar o que fazer.  
      Espero que tudo volte ao normal, mesmo que não seja agora. Ainda quero te ligar pra ficar chorando no telefone, ou te mandar foto de vários vestidos pra você dizer qual fica melhor. Mas dessa vez eu tô com medo, sabe? Medo que as coisas não voltem a ser como eram antes, porque foi diferente das outras vezes. 

domingo, 13 de abril de 2014

“Quando eu estiver prestes a morrer, doarei meu coração para aqueles que querem viver apaixonados, doarei meus rins enferrujados que aguentam bastante para aqueles que apreciam um bom gole num sábado à noite, doarei meu estômago para aqueles que ainda não sabem o que é ter borboletas nele quando se vê alguém surpreendente, doarei meus olhos que já viram coisas exuberantes para aqueles que amam enxergar além do que se pode ver. Não sei dizer ao certo, mas eu tenho uma necessidade enorme de deixar com cada pessoa uma parte boa dessa minha vida medíocre, e levar pro túmulo tudo de ogro e ruim que cativei com as consequências.”
— Phelps Schneider. 


segunda-feira, 31 de março de 2014


  ´´Quantas chances 
desperdicei
quando o que eu mais
queria era provar
pra todo mundo
que eu não precisava
provar nada 
pra ninguém´´

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Me ajudem!!

     E aí galera...
     Queria um lugar pra divulgar isso, e então pensei aqui no blog. Vamos lá.
   Os meus vizinhos tiveram problemas e estavam sem condições até de cuidar deles próprios, então tiveram que ir morar com seus filhos, deixando a casa vazia, com 8 gatos e uma cachorra. Os gatos quase não ficam na casa, mas a cachorra está presa. Isso já faz 2 meses. Ha um tempo, estavam soltando a cachorra e a deixando ir pra rua. Um dia, ela foi atropelada, o olho dela ficou pra fora. Fomos no veterinário, e ele costurou o olho dela, e tenho quase certeza que ela ainda está com o olho sadio, enxergando.
   É claro que quando o veterinário veio pegá-la, ela não queria ir, por estar com medo. Ela foi chorando muito. Foi horrível. No dia seguinte, o olho já havia sido costurado, e ela voltou pra a casa da minha vizinha. Algumas pessoas vêm botando comida e água para ela desde então, e ela ficou por uma semana tomando 4 comprimidos e pingando um colírio, o que foi bem dificil porque ela ainda está com muito medo.
   Ela é super dócil, mas tem medo de ser machucada, pois está muito recente, e ela tem ficado sozinha o tempo todo. Mas, chega de enrolação... Eu queria muito dar um lar à ela, pelo menos um abrigo de animais. Se alguém conhecer algum abrigo aqui no RJ, me avisem por favor... O olho dela não precisa mais de cuidados e ela dará as despesas de um cachorro normal. Tenho certeza que com paciência e muito carinho, ela vai recuperar a confiança.
   
Essa é a Pretinha. Peço sua ajuda pra dar um lar à ela, com todo amor
que ela merece.

sábado, 18 de janeiro de 2014

           Não tem como fungir, principalmente porque não sei do que to fugindo. Procuro respostas pra perguntas que nem eu mesma compreendo. Eu espero algo o tempo todo, algo que eu não faço ideia do que seja. As vezes acho que ta tudo sem saída, e me  pergunto ´´mas pra onde eu quero ir?´´